1 de ago de 2011

Não existe solução mágica...

Não existe solução mágica
Obesos que fazem redução de estômago burlam as restrições e voltam a engordar
– alguns até enfrentam a cirurgia de novo


Mariliz Pereira Jorge
Roberto Setton
Sueli: operou, emagreceu, teve um bebê, relaxou e agora luta para evitar a segunda cirurgia: "Emagrecer de novo está sendo um martírio"


Cortar, costurar e emagrecer. A cirurgia do estômago, que começou a se propagar na virada da última década, trouxe uma solução para a obesidade que parecia definitiva. Indicada apenas para casos extremos, com fatores de risco ainda muito altos (2% de mortes, 10% de complicações pós-operatórias), a redução significava, de um lado, cuidados para sempre – comer muito pouco, conviver com náuseas e diarréias – e, de outro, a possibilidade de perder algumas dezenas de quilos e não voltar a engordar. Afinal, como ganharia peso uma pessoa com capacidade estomacal reduzida para o equivalente a uma xícara de café? Passados quase dez anos e cerca de 80.000 cirurgias, as primeiras estatísticas de longo prazo feitas no Brasil mostram que a cirurgia bariátrica, como é chamada pelos médicos, não é, infelizmente, uma solução mágica. Segundo dados do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, um terço dos pacientes recuperou em sete anos bem mais peso do que o esperado. Destes, 5% a 10% voltaram a ser obesos mórbidos, aqueles cujo índice de massa corporal fica acima de 40, quando o desejável é entre 18,5 e 25. "A obesidade é uma doença crônica. A cirurgia é um artifício para controlá-la, mas os mecanismos metabólicos, psicológicos e sociais envolvidos são muito resistentes. O paciente precisa ser acompanhado pelo resto da vida", diz o cirurgião do aparelho digestivo Thomas Szegö, presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica em São Paulo.

Ex-obesos que passam pela redução de estômago engordam de novo porque aprendem a enganar o próprio organismo e voltam a fazer o que sempre fizeram: comer demais. "A maioria tem essa volúpia por comer, que a cirurgia nem sempre muda. Aos poucos, eles vão descobrindo os alimentos que dão prazer e que são facilmente digeridos. Percebem que, mesmo sendo pouco de cada vez, conseguem comer o dia inteiro", explica Arthur Garrido, um dos pioneiros nas cirurgias de estômago e chefe do Grupo de Estudos da Cirurgia da Obesidade Mórbida do Hospital das Clínicas. A técnica usada em 85% das cirurgias no Brasil é o chamado bypass gástrico: o estômago é separado em dois pedaços, um bem maior (chamado "ex-estômago"), que fica ocioso, apenas produzindo sucos gástricos, e um pequeníssimo, com capacidade para 20 mililitros, ligado por uma alça diretamente ao intestino delgado. Nessa ligação é colocado um anel de silicone que restringe ainda mais a capacidade de ingestão de alimentos. A pessoa é obrigada a comer pouquíssimo, mastigar muito bem e engolir com cuidado.

Como se burla tanta restrição? Com tudo o que se esfarela, é líquido ou pastoso: salgadinho de pacote, biscoito, sorvete, creme de leite, leite condensado, sopa, amendoim, bebidas alcoólicas. A compulsão alimentar é tão poderosa que algumas pessoas submetidas à cirurgia conseguem alargar ou até romper o anel restritivo. "Pela minha experiência, 80% dos operados saem do hospital com estômago capaz de receber 20 mililitros de alimentos e, depois de alguns anos, a capacidade já subiu para cerca de 100 mililitros", diz o endocrinologista Geraldo Medeiros. Além do padecimento físico e psicológico, a reincidência na obesidade pode levar à segunda cirurgia, igualmente sem garantia de sucesso. O crítico literário Rodrigo Gurgel, 47 anos, de São Paulo, pesava 230 quilos quando fez a operação, em 2001. Perdeu 100 quilos em um ano, mas voltou a engordar. "Passava os dias beliscando. Bolo com café, por exemplo, vai que é uma maravilha", diz Gurgel. Em 2003 foi operado de novo e seu peso se estabilizou, mas no último ano engordou e está com 160 quilos. Gurgel voltou à luta dos cuidados e acompanhamentos – quer ser, pelo menos, "um obeso mais saudável".

Mirian Fichtner
Sandra, duas cirurgias, 12 quilos a mais depois da segunda: "Quando me dou conta de que estou engordando ou alguém comenta, fico deprimida e busco refúgio na comida"


Atualmente são feitas cerca de 25.000 cirurgias de redução de estômago por ano no Brasil (nos Estados Unidos são 180.000). A duração caiu de quatro horas para menos de duas, os procedimentos se aprimoraram e os cirurgiões são mais hábeis e experientes do que nos primórdios da técnica. Por isso, os riscos de complicações graves caíram para 2% e a taxa de mortalidade não ultrapassa 1%. Apesar da insistência dos médicos na necessidade de acompanhamento pós-operatório constante, passados dois anos metade dos operados deixou de ir ao consultório. É justamente nesse período que se dá a maior perda de peso; depois, a balança se estabiliza e a tendência é relaxar – e engordar. A dona-de-casa Sandra Kerber, de Porto Alegre, é um caso clássico. Pesava 154 quilos ao fazer a cirurgia, em 2001. Perdeu 65 quilos em dois anos; ainda tinha 10 a perder quando começou a comer mais do que devia, a ponto de o anel restritivo se romper. "Não eram grandes quantidades, mas eu comia o dia inteiro, um pouquinho de cada vez, coisas que engordam mesmo", reconhece. Veio a segunda cirurgia, e Sandra chegou a 82 quilos. Hoje, pesa 94. "Tenho pavor de engordar e sei que posso recuperar tudo se não controlar minha compulsão. Mas, cada vez que me dou conta de que estou engordando ou que alguém faz algum comentário, fico deprimida, ansiosa e acabo sempre buscando refúgio na comida", diz. Perder peso na escala exigida pelos obesos mórbidos fica mais difícil a cada tentativa. A coordenadora comercial Sueli Cardoso Coca, 44 anos, pesava 135 quilos quando foi operada, há sete anos. Em dois anos, baixou para 76. Com acompanhamento nutricional e endocrinológico, engravidou e engordou apenas 9 quilos. Depois do parto, ela abandonou as aulas de dança de salão, esqueceu a nutricionista e engordou. "Comia o dia inteiro, inclusive a papinha do bebê", conta. Não quer nem pensar numa segunda cirurgia e voltou a se tratar, mas reconhece: "Na primeira vez, perdi peso rapidamente. Agora, está sendo um martírio".


Fonte: Revista VEJA

Nenhum comentário:

Postar um comentário